Total de visualizações de página

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

CÓDIGO DRÁCULA

O CÓDIGO DRÁCULA – I
Este texto nasceu a partir da pesquisa feita para um seminário de História Moderna II da UFS, apresentado em grupo no ano de 20101.
Revisitando velhos arquivos, descobri os slides daquela apresentação que, agora, transformo em um artigo.
Não quero entregar logo a conclusão a que chegamos no decorrer da pesquisa, mas posso dizer, de saída, que acreditamos na hipótese de que Bram Stoker escreveu sua obra fantástica como uma metáfora um pouco diferente das teorias já levantadas.
Assim sendo, claramente nosso primeiro foco deve ser o autor da obra. Quem foi Bram Stoker?
Abraham Stoker2 nasceu em 08/11/1847 em Dublin, Irlanda. Em 1863, aos 16 anos, ingressou no Trinity College, também em Dublin e três anos depois foi trabalhar no Castelo de Dublin, onde escreveu sua primeira obra, “Deveres dos Amanuenses e Escrivães nas Audiências para Julgamento de Pequenas Causas e Delitos na Irlanda”, um manual.
Em 1870 formou-se em Matemática, casou-se oito anos depois com Florence Balcombe, mesmo ano em que se tornou administrador do Royal Lyceum Theater.
No ano seguinte, 1879, nasceu seu único filho, Noel, e foi publicado seu primeiro livro, “The Duties of Clerks of Petty Sessions in Ireland”3.
Em 1882 publicou os contos Under the Sunset e somente oito anos depois, em 1890, começou a explorar o tema que o tornaria famoso: o vampirismo.
No ano seguinte publicou “O Castelo da Serpente”, em 1894 lançou The Watter´s Mou e Croken Sands e um ano depois foi a vez de The Shoulder of Shasta.
Finalmente, em 26/05/1897, foi publicada sua obra prima “Drácula”. Nos anos seguintes foram lançados “Miss Betty” (1898), “Os Sete Dedos da Morte” (1903), The Man (1904), “ Personal Reminiscences of Henry Irving” (1906), “ O Caixão da Mulher-Vampiro” (1909) e “O Monstro Branco” (1911).
Em 1905 Bram Stoker sofreu um derrame cerebral que, contudo, não impediu sua produção. No ano seguinte ao lançamento de “O Monstro Branco” porém, o autor faleceu, em 20/04/1912.
Assim, temos as primeiras pistas de nossa demanda: Bram Stoker nasceu na Irlanda, durante o período em que o país fazia parte do Reino Unido da Gran Bretanha e Irlanda, mais especificamente na época da Grande Fome, (1845-1849), período em que a população diminuiu 30%.
Foi educado em um colégio tradicionalíssimo, de origem inglesa. Muito jovem ingressou no ambiente politizado do funcionalismo público.
Na fase adulta, certamente pôde observar a atuação de Charles Stewart Parnell, político irlandês que foi membro do Parlamento Britânico, e organizou a resistência irlandesa contra o tratamento dispensado ao país pela Inglaterra.
Portanto, de posse dos primeiros indícios do nosso quebra-cabeças, vamos em frente, na busca da solução deste enigma. Esperamos ainda ter sangue correndo nas veias ao fim da jornada!

A ROMÊNIA
Seguimos em nossa jornada para desvendar o Código Drácula. Conhecemos o autor e agora nossos caminhos vão nos levar das agitadas ruas de Dublin, passando pela enevoada Londres, até as misteriosas montanhas dos Cárpatos.
A Inglaterra, a quem a provável maioria dos irlandeses via como opressora, vivia sob o reinado da Rainha Vitória, na chamada Era Vitoriana, um período de expansão e enriquecimento do Império, aumento da população, sucesso da Revolução Industrial e grandes avanços tecnológicos.
Assumindo a posição de superpotência global, a Inglaterra regulava e influenciava o mundo levando sua cultura, seus produtos e seus interesses a todos os continentes.
Dentro do círculo vermelho a Inglaterra. Do outro lado da Europa, a Romênia.
A Romênia, por outro lado, era uma terra ainda semi medieval, desconhecida da maioria dos europeus, mas que provavelmente chamara a atenção dos meios mais bem informados, no qual Bram Stoker estava certamente inserido, ao conquistar o reconhecimento de sua independência em 1878, nos tratados de San Stefano4 e de Berlim5, após a guerra Russo-Turca.
É possível imaginar que foram esses eventos que chamaram a atenção de Bram Stoker sobre a Romênia e não é absurdo imaginar que este tenha tido a curiosidade de saber mais a respeito do misterioso novo país.
É, portanto, plausível crer que foi nessa pesquisa despretensiosa que os dois personagens mais importantes de nossa investigação se cruzaram. Bram Stoker finalmente encontrou o Drácula!
Mas quem era esse desconhecido príncipe valaquio que chamou a atenção do irlandês?
O VERDADEIRO CONDE DRÁCULA
Vlad Draculea (Filho do Dragão), também conhecido como Vlad III ou Vlad Tepes (empalador), era filho de Vlad II Dracul e da Princesa Cneajna da Moldávia.
Nasceu em Sighisoara – Transilvânia, no ano de 1431. Como herdeiro de seu pai, foi o Voivoda (Príncipe) da Valáquia em três ocasiões: 1448, de 1456 a 1462 e em 1476.
Seu caminho até o trono, porém, foi tortuoso. Seu pai se tornou governante em 1436, quando o menino Vlad contava com cinco anos.
Oito anos depois foi entregue aos turcos como refém, passando a ser criado na corte do sultão, mas como uma espécie mais branda de prisioneiro.
Seu pai e seu irmão (Mircea) foram mortos em 1447 e no ano seguinte, com apoio turco, Vlad assumiu o trono.

Seu governo, contudo, foi curto pois no mesmo ano (1448), os húngaros o obrigaram a renunciar e fugir. Três anos depois ele aceitou se tornar um duque vassalo.
Em 1456 conseguiu reunir forças para invadir e dominar a Valaquia, passando a governar com apoio turco.
As ruínas do castelo de Tirgoviste e o Rio Arges.

Vlad estabeleceu sua sede em Tirgoviste, em um castelo às margens do Rio Arges, local onde cometia terríveis atrocidades como ferver as pessoas ou empalá-las vivas.
Em 1462 os aliados turcos tornaram-se inimigos e a guerra começou, obrigando Vlad a fugir para Transilvânia onde acabou sendo preso. Sua esposa cometeu suicídio.
Após oito anos, novamente casado, Vlad foi libertado. Dois anos depois conseguiu voltar ao poder, mas terminou morto, em combate contra os turcos.

PERSONAGENS
Após termos conhecido, no texto anterior, quem foi o verdadeiro Drácula, Bram Stoker se apossou dessa fugira histórica de Vlad Draculea e passou a moldá-la, transformando-a em um ser sobrenatural maléfico.
Muitos teóricos concordam, e nós também, que essa transformação criou um personagem metafórico, cercado por outros de semelhante importância na representação do tempo vivido pelo autor. As supostas metáforas são variadas, diferentes, assim como a que estamos tentando demonstrar.
Entretanto, para essa demonstração, precisamos analisar a obra em busca das pistas necessárias à nossa demanda.
O livro “Drácula” é um romance da chamada Literatura Gótica6, apresentado em forma de fictícias correspondências e transcrições dos diários dos personagens.
Destes, os que nos interessam mais detidamente, e em ordem de importância, são:
CONDE DRÁCULA – Vampiro da Transilvânia que compra terras em Londres.
QUINCEY P. MORRIS – Milionário Texano, pretendente de Lucy.
MINA MURRAY HARKER – Noiva/esposa de Jonathan, vítima de Dracula.
Os demais são:
LUCY WESTENRA – Vítima do vampiro em Londres, amiga de Mina.
ABRAHAM VAN HELSING – Medico chamado para ajudar Lucy.
JONATHAN HARKER – Advogado, noivo/esposo de Mina, vai à Romênia vender terras à Dracula e torna-se seu prisioneiro.
ARTHUR HOLMWOOD – Milionário, escolhido noivo por Lucy.
JOHN SEWARD – Psiquiatra de Carfax, pretendente de Lucy.
RENFIELD – Primeiro advogado a visitar Dracula na Romênia, ele enlouquece à espera de seu mestre em Londres.
No enredo, bem resumidamente, o Conde Drácula compra terras em Londres, começa a atacar pessoas e dá o próprio sangue para Mina, a quem deseja como companheira, iniciando um processo de transformação desta em vampira.
Para combatê-lo e auxiliar o casal Mina/Jonathan Harker, unem-se os amigos John Seward, Quincey Morris e Arthur Holmwood, auxiliados pelo Dr. Abraham Van Helsing.
A leitura da obra vai suscitar algumas perguntas cruciais para nossas investigações:
Por que Vlad Tepes foi a figura escolhida para encarnar o Vampiro, considerando que Stoker jamais esteve na Romênia?
Por que um cientista como Van Helsing valoriza tanto o poder religioso?
Por que somente as mulheres são transformadas em vampiras?
O que faz um típico cowboy americano neste romance gótico da Era Vitoriana?

PRIMEIRAS PISTAS
Apesar das modificações, a essência do personagem histórico Vlad Tepes é mantida por Bram Stoker: alguém que persegue seu direito de governar, sanguinário, conquistador.
Isso demonstra, a nosso ver, que essas características eram buscadas especificamente pelo autor. A peculiaridade excêntrica do personagem, assim como a distância espaço temporal da realidade vitoriana também serviriam para camuflar a natureza metafórica do vampiro.
Selecionamos alguns trechos nos quais o autor define seu personagem pela “voz” do próprio:
"Anseio por percorrer as populosas ruas de sua fabulosa metrópole (…) compartilhar sua vida, suas mudanças, também sua morte…” (pg. 28)

Por acaso é de causar surpresa o fato de termos sido uma raça de conquistadores e sabido sempre exibir todo o nosso orgulho?” (pg. 37)
nós, os szekes, temos toda a razão de ser orgulhosos, pois em nossas veias corre o sangue de muitas raças audazes, que souberam lutar com fúria de leões na conquista da supremacia.” (L&PM. 2009. pg. 47)
E também porque ali dificilmente poderá haver um único metro quadrado de terreno que não tenha sido profusamente regado com o mais heterogêneo sangue humano” (pg. 37)
Um desses trechos contém, a nosso ver, uma tentativa de despiste sobre a verdadeira identidade do Vampiro:
...minha terra não é a Inglaterra. Os caminhos de nossos respectivos países nunca foram sequer semelhantes.” (Nova Cultural. 2003. pg. 29)
A presença do vampiro também insere a dicotomia Bem x Mal na obra, uma vez que representa o mal total. Por outro lado seus adversários, cheios de virtudes, seriam o bem.
Diversos autores também identificam várias outras dicotomias no decorrer da obra tais como Cristianismo x Paganismo, Anglicanismo x Catolicismo, Ciência x Superstição, Racional x Irracional, Modernidade x Tradição, Moralidade x Imoralidade, etc.
As duas principais personagens femininas são, a nosso ver, os pilares opostos da dicotomia Moralidade x Imoralidade.
A noiva/esposa de Jonathan Harker, Wilhelmina Murray Harker, é apresentada como a personificação da moral e da virtude. Professora, trabalhadora empenhada e estudiosa, planeja ser uma esposa útil para o marido.
João Bosco de Almeida Rezende, em seu TCC7, também identifica as dicotomias do Nacionalismo Inglês x Nacionalismo Irlandês no vampiro e a Emancipação Feminina x Resistência Masculina a ela em Mina, a virtuosa e avançada.

Sua melhor amiga, Lucy Westenra, porém, é retratada como uma rica fútil, dedicada às diversões, namoricos e mexericos da alta sociedade.
As demais personagens femininas de interesse são as noivas do vampiro, que vivem em seu castelo e são descritas como fisicamente diferentes:
Duas delas tinham a tez de um moreno dourado, narizes aquilinos (…) olhos grandes, profundos e penetrantes…” (pg. 45 – Nova Cultural 2003)
Mas a terceira era dotada de rara beleza (...) cabeleira de cachos dourados e olhos magníficos, da cor e com o brilho das safiras.” (Idem. pg. 45)
Em resumo, os personagens femininos são etnicamente variados, o que demonstra diferentes nacionalidades, apresentam comportamentos que vão do pudico ao devasso mas são, a despeito de tudo isso, as únicas a serem realmente transformadas em servas do vampiro.
Essa transformação se dá pela inoculação do sangue do vampiro nas vítimas.



O CÓDIGO DRÁCULA – VI
As dicotomias são presentes em toda obra, como vimos anteriormente. Esses limites ficam tênues, porém, na figura do Dr. Van Helsing, um cientista apresentado por Stoker como “...um dos mais destacados cientistas da atualidade.8 que pesquisa o ocultismo e acredita no poder dos símbolos religiosos católicos, como a cruz, a hóstia, e no poder do alho, o que não deixaria de ser um conflito do próprio autor e isso não é novidade, já foi aventado por muitos autores, Rezende7 entre eles.
Também temos o exemplo bem explorado por Rezende, do anglicano Harker, que inicialmente não sabe o que fazer com o crucifixo que lhe foi presenteado para, algum tempo depois, encontrar nele o conforto de um católico devoto:
Ela então levantou-se e, enxugando as lágrimas dos olhos, retirou um crucifixo que trazia no pescoço e estendeu-o em minha direção. De pronto, eu não soube o que fazer, pois como adepto da Igreja Anglicana fora instruído a considerar tais objetos de certa forma como símbolo de um credo da idolatria.” (p. 13 - L&PM 2009)
Que Deus abençoe aquela boa, boníssima mulher que pendurou o crucifixo sobre o meu pescoço, pois sua simples presença material já é para mim um consolo e um refúgio de segurança...” (p. 46 - L&PM 2009)
Contudo, o que surpreende mesmo é, como já foi escrito antes, a presença de um texano, um legítimo cowboy, pretendente à mão de Lucy, no conto gótico vitoriano de Stoker.
O autor lhe atribui virtudes como força e determinação, disposição para ajudar as mulheres e presença em vários lugares do mundo, ao mesmo tempo que relaciona sua postura ao futuro de seu país de origem, os EUA:
Sou um sujeito duro na queda e, mesmo sendo derrubado, sempre caio de pé (...) Sua coragem e sua honestidade fizeram de mim um amigo seu...” (pg. 66 – Nova Cultural 2003)
Que bom sujeito é o Quincey! (...) suportou tudo como um grande herói. Se a América continuar a produzir homens assim, tornar-se-á certamente muito poderosa...” (Martin Claret, pg. 200)
É um sujeito muito bonzinho, um americano do texas, e parece tão jovem e inexperiente que mal podemos acreditar que já conhece tantos lugares. ” (pg. 75 – Martin Claret)
Creio que cheguei exatamente na hora. Basta apenas me dizerem o que terei de fazer ... O sangue de um homem bravo é a melhor coisa na terra para uma mulher em dificuldade.” (Idem, pg. 175)
E, a nosso ver o mais significativo: é o americano quem corta o pescoço do vampiro!

O CÓDIGO DRÁCULA – FINAL
Chegou o momento de apresentar nossas conclusões. Não descartamos as outras teorias existentes, como as questões da sociedade da Era Moderna, a importância do sangue no imaginário do XIX, as transformações culturais e científicas, etc.
Mas acreditamos na plausibilidade de nossa conclusão, ao mesmo tempo em que não encontramos visão semelhante, com exceção do que já foi mencionado.
Vimos que Bram Stoker era um irlandês que nasceu e cresceu durante movimentos que opunham os interesses de seu povo aos ingleses, senhores das ilhas britânicas, o opressor Império onde o Sol jamais se punha.
A fala de Drácula, impregnada de nacionalismo, reivindica seu direito à conquista e à dominação. Sua escolha como personagem demonstra, a nosso ver, que ele não é apenas o “cara mau” desta obra, mas é o grande vilão da vida do irlandês Bram Stoker.
Drácula vampiriza, escraviza com seu sangue, conquista, domina, em cada lugar que vai sua terra impregnada de sangue vai com ele. Por quê?
Porque ele não é apenas uma representação do nacionalismo inglês, ele é a própria Inglaterra, a nação guerreira, conquistadora e opressora, que vampiriza a Irlanda, que a dominava quando esta definhava de fome, que virou as costas à Igreja, que engana, conspira, que faz uso dos mares e dos ventos que impelem sua força naval!
Drácula/Inglaterra miscigena seu sangue em suas colônias, tornando-as suas escravas. Esses domínios jamais vêem o pôr-do-Sol, o que Stoker subverte, fazendo do vampiro um inimigo da Luz.
As mulheres da obra de Stoker são as vítimas preferidas de Drácula. Ele quer sangue e escravas.
Mina, enquanto mocinha virtuosa, trabalhadora e pobre, é a Irlanda de Bram Stoker. As demais mulheres, tão diferenciadas entre si, são as outras colônias inglesas.
O ato de contaminar essas mulheres, tornando-as suas escravas, representa a miscigenação, já mencionada, mas também a influência cultural inglesa que se espalha corrompendo os valores caros ao autor.
Mina, que resiste, auxiliando os amigos, é a esperança de Stoker. O autor coloca seu país na vanguarda da luta contra o “mal”.
A fé católica, mostrando sua força perante o anglicanismo, age como força de salvação, como ponto de união dos irlandeses contra a vampirização inglesa, contra aqueles que adotaram uma nova religião.
Do irlandês Stoker, não poderíamos esperar nada diferente, embora possamos notar seus desejos de uma união com a ciência, o que certamente demonstra seu encanto e cuidado com os avanços de seu tempo.
O cowboy americano é jovem, viril, ainda puro e destemido. Suas andanças fazem dele um cidadão do mundo que não teme oferecer o próprio sangue em auxílio às mulheres.
É ele quem transpassa o coração do vampiro e liberta o mundo do opressor. É o herói de Bram Stoker.
Rezende defende que Stoker percebe a "...crescente relevância dos Estados Unidos no cenário mundial..."7 (pg. 42), e concordamos com ele. Para nós o cowboy é os Estados Unidos, que venceu os ingleses, terra da liberdade para onde acorrem levas de irlandeses em busca de paz, em quem Stoker deposita a fé em uma contraposição aos ingleses no mundo. Fé na Liberdade.
Sua morte, ao final, para nós representa apenas um desfecho heroico. O que importa, contudo, é a projeção dos EUA como uma nação poderosa no futuro, já citada antes.
Esta é, portanto, nossa visão a respeito do que pode estar por trás da obra de Bram Stoker.
Discordamos de Rezende quando coloca a obra como um estímulo aos “...irlandeses de todas as partes do mundo, principalmente os da América, para lutar pela libertação de sua terra natal.7(pg. 42)

Seria uma linguagem tão cifrada que a maioria de seus compatriotas não conseguiria decifrar.

A nosso ver a obra é uma crítica refinada e muito camuflada à superpotência britânica. Como funcionário público Stoker talvez não tenha intentado ir tão longe a ponto de se arriscar pessoalmente.

A despeito disso, porém, admitindo a veracidade de nossa tese, isso faria de nosso autor um nacionalista irlandês criticando a Inglaterra de dentro da própria sociedade inglesa e, ironia fina, sendo aplaudido por ela!
FIM

REFERÊNCIAL BIBLIOGRÁFICO
FIGUEIRA, Divalte Garcia. História. São Paulo: Editora Ática,2002
STOKER, Bram. Drácula. Trad. Vera M. Renoldi. São Paulo: Nova Cultural, 2002.
_____________. Drácula. In: Os três maiores clássicos da literatura de terros. Org. Stephen King. Rio de Janeiro: Ediouro, 2004.
_____________. Drácula. Trad. Theobaldo de Souza. Porto Alegre: L&PM Editora, 2009.
_____________. Drácula. Martin Claret.
1Componentes: Carla Oliveira, Valéria Maria, Antônio Éverton, Gerson Alves, Robson Castro e Marcello Eduardo.
2https://pt.wikipedia.org/wiki/Bram_Stoker
3Os Deveres dos Oficiais de Seções Petty na Irlanda (tradução livre).
4O Tratado Preliminar de Santo Estêvão (3 de março de 1878) foi o acordo que o Império Russo impôs ao Império Otomano após vencer os turcos na guerra russo-turca de 1877-1878. Foi assinado em Santo Estêvão (grego: Agios Stephanos, atualmente Yeşilköy), vilarejo ao oeste de Istambul, na Turquia, pelo conde Nicolau Pavlovitch Ignatiev e Alexandre Nelidov por parte do Império Russo e pelo ministro de assuntos exteriores Safvet Paxá e o embaixador na Alemanha Sadullah Bey por parte do Império Otomano.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Tratado_de_Santo_Est%C3%AAv%C3%A3o

5O Tratado de Berlim, concluído em 13 de julho de 1878, foi acordado entre as principais potências da Europa e o Império Otomano, e determinou o estabelecimento de um verdadeiro regime de controle permanente sobre a administração interna do império, de maneira a garantir o que os europeus invocavam como um mínimo aceitável de direitos, em particular a "liberdade religiosa" para os cidadãos submetidos à lei turca[1] .

Assinado no final do Congresso de Berlim, modificou o Tratado de Santo Estêvão, ao qual se opunham o Reino Unido e o Império Austro-Húngaro, e que instituía a "Bulgária Maior".

Tratado de Berlim reconheceu a independência dos reinos da Roménia, em 1881, da Sérvia, em 1882, de Montenegro, em 1910 e a autonomia da Bulgária, embora esta última permanecesse sob tutela formal do Império Otomano e fosse dividida em três partes: o Principado da Bulgária, a província autónoma da Rumélia Oriental e a Macedónia, devolvida aos otomanos, impedindo os planos russos para uma Bulgária Maior russófila[2] . A província otomana da Bósnia e Herzegovina, bem como o antigo Sanjak de Novi Pazar, foram colocados sob ocupação austro-húngara, embora formalmente continuassem a integrar o Império Otomano.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Tratado_de_Berlim_%281878%29

6A literatura gótica inicia-se no século XVIII, na Inglaterra, com a obra O Castelo de Otranto (1764), de Horace Walpole. Costuma-se destacar, como algumas das principais características desse tipo de literatura, os cenários medievais (castelos, igrejas, florestas, ruínas), os personagens melodramáticos (donzelas, cavaleiros, vilões, os criados), os temas e símbolos recorrentes (segredos do passado, manuscritos escondidos, profecias, maldições).

Outras leituras possíveis da literatura gótica envolvem destacar nos romances o uso da psicologia do terror (o medo, a loucura, a devassidão sexual, a deformação do corpo), do imaginário sobrenatural (fantasmas, demônios, espectros, monstros), das reflexões sobre o Poder (colonialismo, o papel da mulher, sexualidade), da discussão política (monarquismo, republicanismo, as Revoluções, a industrialização), dos aspectos religiosos (catolicismo, protestantismo, a Inquisição, as Cruzadas), das concepções estéticas (neoclassicismo, romantismo, o Sublime) e filosóficas (a Natureza, Platão, Aristóteles, Rousseau), além de outras possíveis chaves interpretativas.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Literatura_g%C3%B3tica

7(p. 119 – L&PM 2009)

8REZENDE, João Bosco de Almeida. Por trás das sombras: uma análise das representações em Drácula. UFS, São Cristóvão, 2007




Para conhecer, clique aqui.
Para navegar mais por este blog, clique aqui.
Para ler outros textos na seção "A Semana", clique aqui.
Para ir ao nosso site, clique aqui

Leia as outras minisséries do Reino de Clio clicando aqui.


1Componentes: Carla Oliveira, Valéria Maria, Antônio Éverton, Gerson Alves, Robson Castro e Marcello Eduardo.
2https://pt.wikipedia.org/wiki/Bram_Stoker
3Os Deveres dos Oficiais de Seções Petty na Irlanda (tradução livre).
4O Tratado Preliminar de Santo Estêvão (3 de março de 1878) foi o acordo que o Império Russo impôs ao Império Otomano após vencer os turcos na guerra russo-turca de 1877-1878. Foi assinado em Santo Estêvão (grego: Agios Stephanos, atualmente Yeşilköy), vilarejo ao oeste de Istambul, na Turquia, pelo conde Nicolau Pavlovitch Ignatiev e Alexandre Nelidov por parte do Império Russo e pelo ministro de assuntos exteriores Safvet Paxá e o embaixador na Alemanha Sadullah Bey por parte do Império Otomano.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Tratado_de_Santo_Est%C3%AAv%C3%A3o

5O Tratado de Berlim, concluído em 13 de julho de 1878, foi acordado entre as principais potências da Europa e o Império Otomano, e determinou o estabelecimento de um verdadeiro regime de controle permanente sobre a administração interna do império, de maneira a garantir o que os europeus invocavam como um mínimo aceitável de direitos, em particular a "liberdade religiosa" para os cidadãos submetidos à lei turca[1] .

Assinado no final do Congresso de Berlim, modificou o Tratado de Santo Estêvão, ao qual se opunham o Reino Unido e o Império Austro-Húngaro, e que instituía a "Bulgária Maior".

Tratado de Berlim reconheceu a independência dos reinos da Roménia, em 1881, da Sérvia, em 1882, de Montenegro, em 1910 e a autonomia da Bulgária, embora esta última permanecesse sob tutela formal do Império Otomano e fosse dividida em três partes: o Principado da Bulgária, a província autónoma da Rumélia Oriental e a Macedónia, devolvida aos otomanos, impedindo os planos russos para uma Bulgária Maior russófila[2] . A província otomana da Bósnia e Herzegovina, bem como o antigo Sanjak de Novi Pazar, foram colocados sob ocupação austro-húngara, embora formalmente continuassem a integrar o Império Otomano.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Tratado_de_Berlim_%281878%29

6A literatura gótica inicia-se no século XVIII, na Inglaterra, com a obra O Castelo de Otranto (1764), de Horace Walpole. Costuma-se destacar, como algumas das principais características desse tipo de literatura, os cenários medievais (castelos, igrejas, florestas, ruínas), os personagens melodramáticos (donzelas, cavaleiros, vilões, os criados), os temas e símbolos recorrentes (segredos do passado, manuscritos escondidos, profecias, maldições).

Outras leituras possíveis da literatura gótica envolvem destacar nos romances o uso da psicologia do terror (o medo, a loucura, a devassidão sexual, a deformação do corpo), do imaginário sobrenatural (fantasmas, demônios, espectros, monstros), das reflexões sobre o Poder (colonialismo, o papel da mulher, sexualidade), da discussão política (monarquismo, republicanismo, as Revoluções, a industrialização), dos aspectos religiosos (catolicismo, protestantismo, a Inquisição, as Cruzadas), das concepções estéticas (neoclassicismo, romantismo, o Sublime) e filosóficas (a Natureza, Platão, Aristóteles, Rousseau), além de outras possíveis chaves interpretativas.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Literatura_g%C3%B3tica

7REZENDE, João Bosco de Almeida. Por trás das sombras: uma análise das representações em Drácula. UFS, São Cristóvão, 2007

8(p. 119 – L&PM 2009)

REFERÊNCIAL BIBLIOGRÁFICO
FIGUEIRA, Divalte Garcia. História. São Paulo: Editora Ática,2002
STOKER, Bram. Drácula. Trad. Vera M. Renoldi. São Paulo: Nova Cultural, 2002.
_____________. Drácula. In: Os três maiores clássicos da literatura de terros. Org. Stephen King. Rio de Janeiro: Ediouro, 2004.
_____________. Drácula. Trad. Theobaldo de Souza. Porto Alegre: L&PM Editora, 2009.
_____________. Drácula. Martin Claret.

terça-feira, 24 de novembro de 2015

O OÁSIS INFINITO

O OÁSIS INFINITO

As longas e penosas caminhadas, de oásis em oásis, em busca da preciosa água. As cansativas perseguições nas caçadas a animais que fugiam para cada vez mais longe. As migrações ininterruptas em busca das regiões onde frutas e outros tipos de alimento podiam ser encontrados. Tudo isso sob o Sol escaldante do deserto. Essa era a vida das famílias nômades em tempos que fogem da memória.

Mas havia um lugar onde as frutas e alimentos podiam ser encontrados em abundância, onde não era necessário ir atrás da caça, porque a caça vinha até perto da lança e onde jamais, jamais faltava água, a mesma que atraia a caça. Esse oásis infinito, lugar de uma terra negra e fértil, o Kemet, era uma dádiva do Grande Nilo, era o Egito!

Quando grupos familiares entraram em processo de sedentarização às margens do Rio Nilo, que fornecia água, pesca, caça e agricultura após as cheias, e uniram-se em Nomos, sob a liderança de um Nomarca, ampliaram sua força produtiva e criaram um sistema de trocas comerciais.

A união dos Nomos em torno de interesses comuns formou as cidades estados, administradas por funcionários que viriam a formar uma elite dominante. A união das cidades estados, por sua vez, formou dois reinos às margens do rio. Nasciam, assim, o Baixo Egito e o Alto Egito.


O Baixo Egito era a Terra do Papiro, ficava perto da foz do Rio Nilo, tinha um clima litorâneo mais chuvoso e reuniu cerca de 20 Nomos. Sua capital era Buto.

O Alto Egito era a Terra dos Juncos, reunia cerca de 22 Nomos e seu clima era desértico. A capital era Hieracompolis (ou Nekhen). Os símbolos eram a Lótus, carriço e a Coroa Branca Hedjet.
Por volta de 3200 a.C., o Alto Egito, sob a liderança do Faraó Menés (ou Narmer), o Alto Egito conquistou o Baixo Egito, unificando a terra em uma só. Ao mesmo tempo o deus falcão Horus, prevaleceu sobre as demais divindades, tornando-se o principal deus egípcio;
A capital foi estabelecida em Tinis e a situação se manteve por 2 dinastinas (cerca de 19 Faraós). Por volta de 2686 a.C o Faraó Zoser, primeiro da III Dinastia, transferiu a capital para Mênfis, iniciando o Antigo Império, ou Império Menfita.

O Reino de Clio está iniciando seu Período Egípcio. De hoje em diante teremos vários meses com textos dedicados à Terra dos Faraós. Vamos dividí-los em séries temáticas nas quais vamos explorar a vida no Antigo Egito, os principais Faraós, os deuses, os templos e o Livro dos Mortos.

Prepare-se! Pinte os olhos para protegê-los da areia, encha as garrafas de água, prepare a ração, acomode tudo sobre seu camelo, pegue seu cajado e venha conosco nesta jornada. A comitiva do Reino de Clio está partindo em visita oficial ao Reino do Nilo!

Continua!

A REVOLUÇÃO RUSSA

O CAPITALISMO GANHA OPOSIÇÃO
O Capitalismo, em sua expansão, levara o mundo ao progresso mas, depois, à guerra. E antes disso estabelecera um nível de opressão e desigualdade social global jamais visto anteriormente.

Essa exploração e desigualdade atingiu níveis insustentáveis na Rússia do Csar Nicolau.

Quando a fome e as derrotas militares proporcionaram maior apoio popular às ideias de Lênin, o regime russo ruiu, e os trabalhadores do mundo inteiro ganharam um pólo oposto de comparação ao mundo capitalista que conheciam. A roda da História acabava de girar!

Conheçam nossa aula sobre a Revolução Russa. Foi feita para adolescentes, mas pode ser útil para relembrar e se divertir.
Visite nosso site clicando aqui, acesse a aba "História Geral", como indicado na imagem acima e, depois, escolha como deseja ver.
Se quer ver em vídeo, clique na aba lateral "Revolução Russa". Para ver em slides, clique na imagem "Revolução Russa" indicada pela seta/círculo da imagem abaixo. Boa semana! 
Conheça o Edital de Publicação clicando aqui.

Para conhecer, clique aqui.


Para navegar mais por este blog, clique aqui.
Para ler outros textos na seção "A Semana", clique aqui.
Para ir ao nosso site, clique aqui.

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

TEMPLOS EGÍPCIOS – DENDERA

TEMPLO DE HATHOR

Ocupando uma área de aproximadamente 40.000m2, o complexo de Dendera abriga o Templo dedicado à deusa Hathor, a deusa da alegria, da música, do amor e da maternidade.

A construção mais recente, que data do período ptolomaico, erguida por volta de 125 a 60 a.C., ocupou um local que já abrigara templos muito mais antigos, havendo registros de edificações da época de Quéops e Pepi I.

O Templo atual foi construído por Ptolomeu VIII e Cleópatra II (não confundir com a última Cleópatra – a VII) mas recebeu vários acréscimos posteriores, sendo concluído por Tibério César, o Imperador Romano.
O portal feito na muralha apresenta cenas do Imperador Domiciano fazendo oferendas aos deuses Hathor, Hórus, Maet, Hor-wer, e Ihy.1
Esfinge sem cabeça e relevos no portal de entrada.
O complexo é cercado por uma muralha de barro que mede 290 x 280m. O templo em si possui 86 x 43m. 
Após a entrada, à direita existem ruínas de um Mamisi, casa do nascimento do deus Hórus, e de uma igreja Copta.

No centro-alto, o Mamisi. No centro-meio, a Igreja Copta.
Na sequência a sala hipóstila, com uma colunata. São 18 colunas, divididas em 6 filas. A parede externa desta sala “está decorada de diversas cenas que ilustram o imperador Tibério perante divindades diferentes, Claudio fazendo oferendas a Hathor e Ihy – o seu filho – e outra vez Tibério adiante de Hathor.2 e as paredes internas trazem decoração semelhante.

À direita a cripta e, à esquerda, a Sala Hipóstila.
Após a sala das colunas outra sala menor apresenta 6 colunas e 3 capelas laterais, nomeadas segundo a crença dos estudiosos a respeito de suas utilidades. Em seguida o primeiro vestíbulo, ou Sala das Oferendas, e o segundo vestíbulo, Sala das Divindades, com paredes decoradas com cenas que retratam o rei fazendo oferendas.

O próximo recinto é o santuário, um quarto escuro que possuia um sacrário, hoje perdido, onde se encontrava a estátua de Hathor, e no qual apenas o sacerdote poderia entrar. No telhado foi construída uma capela, hoje chamada “Capela da União com o Disco Solar"3.

É uma sala pequena situada no lado sudeste do telhado que tem 12 colunas com capitéis hatóricos e sem teto. Se acredita que com o primeiro dia do ano novo, os sacerdotes levavam as estáuas de Hathor, o seu esposo Hórus e o seu filho Ihy a está sala no telhado para receber os primeiros raios do sol e assim se realiza o processo da união com o sol.4

O Templo de Hathor em Dendera possuia um Zodíaco que foi retirado e levado à Paris em 1821, estando hoje no Museu do Louvre. No local, um século depois , foi instalada uma cópia.

Acima o Zodíaco de Dendera original, exposto no Louvre. Abaixo a cópia, exposta em Dendera.
O mesmo templo abriga ainda um lago sagrado e um imenso painel em relevo que representa Cleópatra VII (a famosa), ao lado de seu filho Cesárion (cujo pai era Júlio César), fazendo oferendas. 
A posição de Cleópatra na cena, à esquerda, demonstra sua posição de poder supremo no Egito.

Continua...
Conheça o Edital de Publicação clicando aqui.


Para conhecer, clique aqui.


Para navegar mais por este blog, clique aqui.
Para ler outros textos na seção "A Semana", clique aqui.
Para ir ao nosso site, clique aqui.



Imagens:
http://commons.wikimedia.org/wiki/Category:Egyptian_antiquities_in_the_Louvre_-_Room_12_bis?uselang=pt-br
http://commons.wikimedia.org/wiki/Denderah

1http://leopoldina-emummundodistante.blogspot.com.br/2009/04/o-templo-de-dendera.html
2Ibid
3Ibid
4Ibid