Total de visualizações de página

sábado, 24 de junho de 2017

FRANZ FERDINAND É ASSASSINADO!

A MORTE DE FRANZ FERDINAND
Em um dia 28/06, no ano de 1914, ocorria o assassinato, por atentado à tiros, do Arquiduque Franz Ferdinand, herdeiro do trono do Império Austro-Húngaro na cidade de Sarajevo, na Bósnia Herzegovina.
Franz Ferdinand nasceu na cidade austríaca de Graz em 18/12/1863. Ele era filho de Karl Ludwig e Maria Annunziata e se tornou herdeiro do trono após dois incidentes: o suicídio de Rudolf Franz, herdeiro do trono, e a renúncia de Karl em favor do filho mais velho. O imperador à época era  Franz Joseph I.
Militar desde os 14 anos, apesar de jamais ter recebido treinamento adequado, Franz chegou atingiu o posto de Major General aos 31 anos e tinha grande influência no meio militar do império. Um ano antes de sua morte foi nomeado Inspetor Geral das Forças Armadas.
Em 1894 conheceu e se apaixonou pela Condessa Sophie Maria, com quem não podia se casar porque a moça não era da realeza. Eles mantiveram um romance em segredo até que gerasse um grande escândalo ao ser descoberto.
Mas, apesar da não autorização do casamento por parte do Imperador, Franz se manteve firme até que o “papa Leão XIII, o czar Nicolau II da Rússia, e o kaiser Guilherme II da Alemanha” enviaram pedidos ao Imperador e este liberou o casamento sob as condições de que a esposa não teria direito aos privilégios e títulos reais e nem seus filhos seriam herdeiros do trono.
O Casamento de Franz Ferdinand e Sophie Maria
Celebrado em 01/07/1900, o casamento não contou com a participação de nenhum membro importante da família imperial e dali em diante Sophie, apesar de receber os títulos de Princesa de Hohenberg e Duquesa de Hohenberg, sempre ficava à parte nas cerimônias oficiais, com exceção das solenidades militares e exatamente por isso, Sophie acompanhou o esposo a Sarajevo naquele dia fatídico.
Contrário às aspirações Húngaras por mais autonomia e mais liberal em relação aos demais povos componentes do Império, Franz Ferdinand discordava em muitos aspectos com o Imperador Franz Joseph I, que não viu com maus olhos sua morte em Sarajevo.
Quando chegou à capital Bósnia, após assistir a exercícios militares que foram vistos como provocação na vizinha Sérvia, Franz e Sophie foram recebidos com deferência por autoridades locais que disponibilizaram um comboio de seis veículos, um dos quais conversível, no qual embarcaram Franz, Sophie, o governador local e um oficial militar.
A primeira parada foi em um quartel para rápida inspeção e, em seguida, o comboio seguiu em direção à Câmara Municipal. Foi neste trajeto que começaram os atentados.
Os planos para matar o Arquiduque formavam uma teia complexa que começara a ser tecida em 1913 pelo grupo Mão Negra (grupo de nacionalistas e pan-eslavistas sérvios do qual participava o “chefe da inteligência militar sérvia, coronel Dragutin Dimitrijević”), e que tinha como primeiro alvo o Governador Oskar Potiorek, que estava no carro com Franz e Sophie.
Em março de 1914, quando o atentado contra o governador deveria acontecer, os planos foram modificados diante do agendamento da visita do Arquiduque à cidade. Essa visita foi atrasada, assim como os planos, por conta da doença do Imperador. Quando este se recuperou, a viagem do herdeiro do trono foi reagendada.
Seis homens de Belgrado, a maioria muito jovens, foram recrutados para a missão: Mehmedbašić, Vaso Čubrilović, Cvjetko Popović, Gavrilo Princip, Trifun Grabež e Nedjelko Čabrinović. Eles percorreram um roteiro digno de filmes de espionagem, com treinamento, entrega de armas e cápsulas de suicídio, viagem de barco, passagem por um túnel secreto mediante apresentação de senha, etc, até chegar a Sarajevo. No dia do atentato, os seis homens foram posicionados ao longo do percurso da comitiva, de modo que haveria seis oportunidades de matar o arquiduque.
Quando a comitiva passou pelo primeiro terrorista,  Mehmedbašić, este não conseguiu jogar a bomba com a qual estava munido, mesmo caso de Vaso Čubrilović, armado com bomba e pistola.
O próximo terrorista, Nedeljko Čabrinović, porém, conseguiu jogar sua bomba que, no entanto, quicou no carro e caiu na rua explodindo sob o veículo que vinha logo atrás, ferindo 20 pessoas.
Čabrinović engoliu sua cápsula de veneno e pulou no rio. Mas não conseguiu nem morrer, pois vomitou o veneno e o rio era muito raso, de modo que foi capturado.
Os outros três terroristas também falharam em seus ataques pois a comitiva partiu em disparada rumo à Câmara Municipal. Triste pelo fracasso, Gravilo Princip entrou em um bar para afogar as mágoas. Ele não sabia, mas este era o lugar certo na hora quase certa.
Na Câmara, a irritação de Franz Ferdinand foi amainada pelas doces palavras da esposa. O restante dos compromissos do dia foi cancelado e uma visita aos feridos no hospital foi programada. O casal embarcou no mesmo carro aberto, um percurso foi traçado, mas o motorista do carro não foi avisado.
Quando a comitiva partiu o motorista desavisado entrou por uma rua não programada e, quando manobrou para retornar ao roteiro planejado, o motor do carro “morreu” bem perto de onde Gravilo Princip estava.
Desta vez ele não perdeu a oportunidade. De uma distância aproximada de cinco metros, disparou apenas dois tiros. Um dele acertou o Arquiduque na veia jugular e o outro no abdômem de Sophie. Gravilo foi preso imediatamente e o casal foi levado à casa do governador, mas nada podia ser feito.
Franz Ferdinand e Gravilo Princip
Sem saber, ou sem se importar, da gravidade de seus ferimentos, Franz Ferdinand dizia que não tinha nada e tentava socorrer a esposa: "Sofia, Sofia! Não morra! Viva para nossos filhos!". Mas Sophie morreu e Franz morreu dez minutos depois.


Começava ali um efeito dominõ que logo colocaria a maior parte das principais nações do mundo, e suas colônias, em uma guerra mundial sem precedentes.




Compre nosso livro CAMINHOS DO IMPERADOR - D. Pedro II em Sergipe clicando aqui.


Para ler outras mini-séries do Reino de Clio, clique aqui.
Para acompanhar nossa série sobre o Egito Antigo, clique aqui.
Para conhecer nossa seção de História Geral, clique aqui.
Para conhecer nossa seção de História do Brasil, clique aqui.
Para fazer visitas virtuais a alguns dos mais importantes museus do país, clique aqui.
Conheça e curta nossa página no Facebook clicando aqui.
Para conhecer a Revista Reino de Clio, clique aqui.

Fontes e Imagens:
https://seuhistory.com/hoje-na-historia/arquiduque-e-assassinado-em-estopim-da-primeira-guerra
https://tokdehistoria.com.br/tag/arquiduque-franz-ferdinand-da-austria/
https://pt.wikipedia.org/wiki/Carlos_Lu%C3%ADs_da_%C3%81ustria
https://pt.wikipedia.org/wiki/Maria_Anunciata_das_Duas_Sic%C3%ADlias
https://de.wikipedia.org/wiki/Rudolf_von_%C3%96sterreich-Ungarn
https://pt.wikipedia.org/wiki/Sofia,_Duquesa_de_Hohenberg
https://pt.wikipedia.org/wiki/Francisco_Fernando_da_%C3%81ustria-Hungria
https://pt.wikipedia.org/wiki/Atentado_de_Sarajevo


terça-feira, 20 de junho de 2017

APARTHEID - Parte V

Campanha do Desafio - 1952
A RESISTÊNCIA NEGRA AO APARTHEID
AÇÕES E REAÇÕES11
O domínio branco na África do Sul já era alvo de oposição por parte dos negros desde 1911, um ano após a fundação do país em 1910.
O Congresso Nacional Africano (CNA), fundado em 08/01/1912, nasceu como um movimento denominado “Congresso Nacional dos Nativos Sul-africanos (South African Native National Congress ou SANNC).” e seu objetivo inicial era “...defender maiores liberdades civis, assim como, o fim das penas injustas contra a população negra do país.12
Fundadores do CNA em 1914
Mas, o recrudescimento da segregação não poderia deixar de gerar uma oposição mais forte e ela tomou forma já na década de 50, quando o CNA lançou uma campanha de desobediência civil.
A chamada Campanha do Desafio, organizada em 1952, promoveu a desobediência com a finalidade de provocar prisões que lotassem as cadeias sulafricanas.
Porém, apenas 8.500 pessoas foram presas, mesmo assim, em 1960 “o então líder do CNA Albert Lutuli recebeu o Prêmio Nobel da Paz como chefe do movimento de resistência pacífica ao regime de apartheid.
Neste mesmo ano, a polícia matou 69 e feriu 180 negros que participavam de uma manifestação em Sharpeville, favela situada a 80 quilômetros de Johanesburgo.
O comandante da operação, Coronel J. Pienaar, declarou que sua delegacia foi cercada e que: “Meu carro foi acertado com uma pedra. Se fazem essas coisas, eles devem aprender a lição do modo difícil".
O Massacre de Sharpeville – como se tornou conhecido – provocou protestos no país e no exterior tendo como consequência um boicote econômico contra o país promovido pela ONU.
Em 1962 a ONU aprovou a Resolução 1761, que incentivava o isolamento do país com o fim das relações militares e econômicas das demais nações com a África do Sul.
Mas os países dispostos a furar esse bloqueio e as riquezas naturais da África do Sul permitiam ao regime racista resistir com poucos contratempos a essa medida.
A reação do governo racista foi transformar o país em uma República, retirando a África do Sul da Comunidade Britânica. Várias organizações negras, inclusive o CNA, foram declaradas ilegais.
Pelo lado dos negros, o novo líder do CNA reconheceu a ineficácia da resistência pacífica e criou o “Umkhonto we Sizwe ("Lanceiro da Nação"), ala militar do CNA.” que promoveu ataques com bombas a prédios do governo mas que pouca ameaça representou diante da força do regime. O nome deste líder era Nelson Mandela.
Continua...

11https://pt.wikipedia.org/wiki/Apartheid


12https://pt.wikipedia.org/wiki/Congresso_Nacional_Africano

Se perdeu alguma parte anterior desta série, clique aqui e na imagem correspondente.
Compre nosso livro CAMINHOS DO IMPERADOR - D. Pedro II em Sergipe clicando aqui.
Para ler outras mini-séries do Reino de Clio, clique aqui.
Para acompanhar nossa série sobre o Egito Antigo, clique aqui.
Para conhecer nossa seção de História Geral, clique aqui.
Para conhecer nossa seção de História do Brasil, clique aqui.
Para fazer visitas virtuais a alguns dos mais importantes museus do país, clique aqui.
Para conhecer a Revista Reino de Clio, clique aqui.
Conheça e curta nossa página no Facebook, clicando aqui.

quarta-feira, 7 de junho de 2017

BATALHA DO RIACHUELO

BATALHA DO RIACHUELO
Em um dia 11/06, no ano de 1865, a Marinha do Brasil conquistava uma vitória decisiva sobre as forças navais do Paraguai no Rio Riachuelo, afluente do Rio Paraguai.
Solano Lopes, o ditador paraguaio, que sofrera dias antes outra derrota decisiva na Batalha do Tuiuti, enviava tropas pela margem do Rio Paraguai e estas ameaçavam de invasão a região Sul do Brasil.
Para conter essa invasão e isolar o Paraguai do exterior, a Marinha do Brasil recebeu a missão de cortar o acesso fluvial ao país inimigo, de modo que a frota brasileira foi dividida em três grupos, um ficando na foz do Rio da Prata e outros dois sendo enviados para efetuar o bloqueio dos Rios Paraná e Paraguai.
O avanço paraguaio foi detido quando a cidade de Corrientes foi bombardeada e tomada por breve período. A presença naval brasileira no rio era uma ameaça ás tropas terrestres de Solano Lopes, de modo que a frota do Brasil deveria ser eliminada.
A Nau Capitânia, Fragata Amazonas
No teatro da batalha a frota brasileira contou com nove navios, um a mais que a frota paraguaia, que dispunha de oito embarcações.
A iniciativa foi do Paraguai, que planejou usar o nevoeiro da madrugada para aproximar-se da frota brasileira e captura-la ou destruí-la. Mas o efeito surpresa se perdeu, pois um dos navios teve problemas e atrasou todo o avanço paraguaio.
Nos navios brasileiros todos já tinham tomado o café da manhã e se preparavam para a missa quando a canhoneira Mearim sinalizou a aproximação inimiga e a quantidade de navios que chegavam.
O comandante da frota brasileira, Almirante Francisco Manuel Barroso da Silva, logo sinalizou ordem, a partir da Nau Capitânia Amazonas, para a mobilização urgente.
Logo os navios brasileiros estavam em posição de combate e nova sinalização veio da Fragata Amazonas: “O Brasil espera que cada um cumpra o seu dever. Atacar e destruir o inimigo o mais de perto que puder.
Os navios paraguaios avançam e a artilharia começa. Duas embarcações paraguais, chamadas de Chatas, são afundadas e outra fica danificada, mesma situação do navio Jejui, que se aproxima da margem para reparos.
Após esse primeiro combate a frota brasileira desce o rio faz a volta e retorna para combater, enquanto a frota paraguaia se posiciona perto da margem, ao lado de uma bateria de 22 canhões posicionados em terra, o que lhe dava grande vantagem.
Essa artilharia quase afunda a corveta brasileira Belmonte, primeira da nossa frota a avançar. Na seqüência os navios brasileiros avançam pelo mesmo caminho e, mesmo em meio ao intenso bombardeio, conseguem atravessar.
A exceção é a nau Jequitinhonha que encalha, ficando sob intenso fogo dos navios inimigos e dos canhões em terra. A nau Parnaíba, que vem em seu socorro, é avariada no leme, ficando sem capacidade de manobra.
Aproveitando-se dessa situação, três navios paraguaios cercam o Parnaíba, os marinheiros paraguaios invadem o navio e conseguem tomar a bandeira brasileira!
Quando os navios brasileiros se aproximam em socorro os navios paraguaios se afastam. O Almirante Barroso sinaliza a mensagem “sustentar o fogo que vitória é nossa” e joga a Fragata Amazonas sobre o Jejui que se parte ao meio e afunda, mesmo destino de uma das chatas paraguaias que assaltavam o Parnaíba. A bandeira brasileira volta ao mastro.


Mais dois navios paraguaios são atacados e postos foram de combate por essa antiga tática do choque de embarcações. Batalha terminada, vitória brasileira.


Com mais essa derrota, Solano Lopes ficou impedido de invadir o Sul do Brasil e isolado de contato externo, uma vez que o bloqueio naval se estabeleceu firmemente. Seus dias estavam contados.





Compre nosso livro CAMINHOS DO IMPERADOR - D. Pedro II em Sergipe clicando aqui.
Para ler outras mini-séries do Reino de Clio, clique aqui.
Para acompanhar nossa série sobre o Egito Antigo, clique aqui.
Para conhecer nossa seção de História Geral, clique aqui.
Para conhecer nossa seção de História do Brasil, clique aqui.
Para fazer visitas virtuais a alguns dos mais importantes museus do país, clique aqui.
Conheça e curta nossa página no Facebook clicando aqui.
Para conhecer a Revista Reino de Clio, clique aqui.

Fontes e Imagens:
https://www.todamateria.com.br/batalha-naval-do-riachuelo/
http://www.estudopratico.com.br/batalha-do-riachuelo/
http://brasilescola.uol.com.br/historiab/batalha-naval-riachuelo.htm
https://seuhistory.com/hoje-na-historia/travada-batalha-naval-do-riachuelo-umas-da-mais-importantes-da-guerra-do-paraguai
http://www.historiadobrasil.net/brasil_monarquia/batalha_riachuelo.htm
https://commons.wikimedia.org/wiki/Category:Battle_of_Riachuelo?uselang=pt
https://pt.wikipedia.org/wiki/Batalha_Naval_do_Riachuelo

terça-feira, 6 de junho de 2017

IMPERATRIZ LEOPOLDINA - VIII


IMPERATRIZ LEOPOLDINA – MATRIARCA DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL – Parte VIII

Em julho/1818 a primeira gravidez de Leopoldina foi anunciada. Daquele momento até o fim, foram poucos os períodos de vida em que a princesa não tenha estado grávida.

Considerando os sete filhos, terão sido nada menos que 63 meses gestante, diante dos 101 meses de vida que teve, a partir daquele julho/1818.

Sua escrita revela, já nesta época, solidão, melancolia e certa resignação diante das infidelidades do marido: “...os homens sempre serão homens, e nós, mulheres, devemos nos distinguir pela paciência, a virtude e os conselhos serenos […] eles sempre voltam e então nos apreciam mais.” (pg. 135)

E a Revolução no Porto, que ao final obrigou a volta da família real para Portugal, levou a princesa a momentos de grande desespero.

Ela temia que os eventos se radicalizassem, temia ser separada do marido e dos filhos, temia partir, temia ficar. Como estava grávida novamente, conseguiu convencer o esposo a atrasar a eventual partida que, por fim, não foi necessária.

A vida como casal regente não pareceu melhorar muito. Ambos almoçavam juntos, mas D. Pedro comia muito rápido. As visitas aos órgãos da administração faziam Leopoldina sofrer com a rispidez do marido, que “...era muito afeito ao uso do chicote para castigar os que não cumpriam as tarefas como ele queria.” (pg. 161)

Continua...

Compre nosso livro CAMINHOS DO IMPERADOR - D. Pedro II em Sergipe clicando aqui.

Para ler outras mini-séries do Reino de Clio, clique aqui.
Para acompanhar nossa série sobre o Egito Antigo, clique aqui.
Para conhecer nossa seção de História Geral, clique aqui.
Para conhecer nossa seção de História do Brasil, clique aqui.
Para fazer visitas virtuais a alguns dos mais importantes museus do país, clique aqui.
Conheça e curta nossa página no Facebook clicando aqui.
Para conhecer a Revista Reino de Clio, clique aqui.

quarta-feira, 31 de maio de 2017

PRAÇA DA PAZ CELESTIAL - 1989

MASSACRE DA PRAÇA TIAN'ANMEN
Em um dia como este 04/06, ano ano de 1989, terminavam as manifestações iniciadas em 15/04 e lideradas por estudantes chineses mas que contavam com a participação de intelectuais e trabalhadores urbanos de Pequim, (Beijing).
Os protestos ocorriam na forma de marchas pacíficas e eram contra a corrupção e a repressão do governo, a demora no avanço das reformas econômicas iniciadas pelo governo de Deng Xiaoping, a inflação e o desemprego.
A morte (natural) do ex-Secretário Geral do Partido Comunista, Hu Yaobang, considerado liberal e que houvera sido expulso do governo, serviu de motivo para as manifestações que começaram em reuniões de oração pelo falecido, evoluíram para greves estudantis, greves de fome e foram crescendo até se tornarem grandes marchas e se espalharem para outras cidades.
O governo da China deliberou sobre a forma de enfrentar os protestos e acabou decidindo pela dissolução das manifestações à força. Em 20 de maio, após vários pedidos pelo fim dos protestos, foi decretada lei marcial e em 03 de junho foram enviados tanques e tropas para Pequim e a Praça Tian'anmen, ou Praça da Paz Celestial.
Boa parte da população de Pequim reagiu à intervenção militar, colocando barreiras para atrasar os tanques e enfrentando os soldados que revidaram com metralhadoras. 

O número de mortos varia entre 400 e 2600, além de várias prisões, expulsão de jornalistas estrangeiros, censura e controle de informações.
Como a praça estava desocupada pelos manifestantes quando os tanques chegaram, o termo Massacre da Praça Tian'anmen não está correto, já que não ocorreram mortes na praça em si. Os confrontos e mortes, inclusive de soldados, ocorreram antes de os tanques chegarem à praça.
No dia seguinte, 05/06, um jovem desrespeitou a proibição, invadiu a área restrita e parou uma coluna de tanques que vinha em sentido contrário.
O termo não existia ainda, mas a foto daquele momento “viralizou” e o homem virou capa das principais revistas e jornais ao redor do mundo, telejornais, filmes, documentários, etc.
Até hoje não se sabe com certeza a identidade do rapaz, nem se está vivo, pois as versões conflitantes lhe atribuem nomes e destinos diferentes.
Durante e após o fim das manifestações cerca de 900 pessoas foram presas. Os trabalhadores presos foram executados, os estudantes receberam penas mais leves. Profissionais da imprensa chinesa que apoiaram os protestos foram expulsos e o Presidente Zhao Ziyang perdeu o posto, que foi assumido por Jiang Zemin.
Deng Xiaoping - Zhao Ziyang - Jiang Zemin
Os acontecimentos daqueles dias ainda hoje são um tabu na China que sufocou a oposição e calou as insatisfações populares com um crescimento econômico extraordinário desde então. A plena liberdade política, contudo, ainda é uma conquista distante para os chineses.
Compre nosso livro CAMINHOS DO IMPERADOR - D. Pedro II em Sergipe clicando aqui.
Para ler outras mini-séries do Reino de Clio, clique aqui.
Para acompanhar nossa série sobre o Egito Antigo, clique aqui.
Para conhecer nossa seção de História Geral, clique aqui.
Para conhecer nossa seção de História do Brasil, clique aqui.
Para fazer visitas virtuais a alguns dos mais importantes museus do país, clique aqui.
Conheça e curta nossa página no Facebook clicando aqui.
Para conhecer a Revista Reino de Clio, clique aqui.
Fontes e Imagens:
http://www.infoescola.com/historia/massacre-da-praca-da-paz-celestial/
http://mundoestranho.abril.com.br/historia/o-que-foi-o-protesto-da-paz-celestial/
http://www.estudopratico.com.br/massacre-da-praca-da-paz-celestial/
https://pt.wikipedia.org/wiki/Deng_Xiaoping
https://pt.wikipedia.org/wiki/Jiang_Zemin
https://pt.wikipedia.org/wiki/Zhao_Ziyang
https://pt.wikipedia.org/wiki/Protesto_na_Pra%C3%A7a_da_Paz_Celestial_em_1989
https://www.betterworldinternational.org/blog/8-ordinary-people-change-world/
http://paginaglobal.blogspot.com.br/2014_06_02_archive.html
https://ricardonagy.wordpress.com/2010/09/19/refuse-resist/
http://otrabalho.org.br/praca-da-paz-celestial-25-anos-depois/


segunda-feira, 29 de maio de 2017

MAIO NA HISTÓRIA


GUERRA DO PARAGUAI
BATALHA DO TUIUTI
Em um dia 24/05, no ano de 1866, a Guerra do Paraguai tinha sua mais sangrenta batalha, travada em território paraguaio.
De um lado o exército de Solado Lopes, com cerca de vinte mil homens comandados pelo General José Eduvigis Díaz. Do outro, trinta e dois mil soldados brasileiros, argentinos e uruguaios, sob comando maior do General argentino Bartolomé Mitre, do brasileiro Manuel Luís Osório e do uruguaio Venancio Flores.
Solano Lopes vinha de duas derrotas nas batalhas do Passo da Pátria e Batalha de Estero Bellaco travadas já em solo paraguaio. A despeito disso estava muito otimista com a teoria de que uma vitória decisiva expulsaria os aliados do país.
Do outro lado, apesar das vitórias, havia discordância na estratégia de avanço, pois Mitre mantinha o movimento lento e cauteloso, levando em conta o desconhecimento do terreno, enquanto os generais brasileiro e uruguaio pediam uma maior velocidade.
Mas o terreno desconhecido acabou favorecendo os aliados, pois estes acamparam em uma região pantanosa, mais propícia à defesa do que ao ataque.
Este começou por volta de 11hs. As tropas paraguaias foram divididas em três colunas que tentaram cercar as forças aliadas.
O General Mitre não estava no acampamento, de modo que o comando foi assumido pelo General Osório.
No início a vantagem foi toda dos paraguaios e nada menos que três batalhões uruguaios foram dizimados. Mas, quando a cavalaria de Solano Lopes partiu para cima das forças brasileiras, depararam-se com um fosso intranspovível e, sem tempo de recuar, acabaram bem ao alcance das armas brasileiras. O resultado foi devastador para a cavalaria paraguaia.

Passado o impacto inicial, as iniciativas dos comandos menores dos aliados, bem como a estratégia de Osório, equilibraram as ações e logo viraram o jogo. Mas o combate foi sangrento, como revela o alferes Dionísio Cerqueira:
Os batalhões avançavam; a artilharia rugia rápida, a revolver; era um contínuo trovejar. Parecia uma tempestade. Cornetas tocavam a carga; lanças se enristavam, cruzavam-se baionetas, rasgavam-se os corpos sadios dos heróis; espadas brandidas a duas mãos, como os montantes nos pares de Carlos Magno, abriam crânios, cortavam braços, decepavam cabeças.
Seis horas depois de iniciada, a Batalha do Tuiuti terminou com vitória da Tríplica Aliança. Solano Lopes perdeu cerca de seis mil homens, enquanto os aliados perderam cerca de quatro mil.
Ao final do dia os aliados estavam firmemente estabelecidos dentro do território paraguaio e Solano Lopes desprovido da capacidade de ataque, restando-lhe o isolamento em fortalezas e as ações defensivas e de recuo.
Começou no alagadiço Tuiuti a derrocada do ditador Paraguaio.



Compre nosso livro CAMINHOS DO IMPERADOR - D. Pedro II em Sergipe clicando aqui.
Para ler outras mini-séries do Reino de Clio, clique aqui.
Para acompanhar nossa série sobre o Egito Antigo, clique aqui.
Para conhecer nossa seção de História Geral, clique aqui.
Para conhecer nossa seção de História do Brasil, clique aqui.
Para fazer visitas virtuais a alguns dos mais importantes museus do país, clique aqui.
Conheça e curta nossa página no Facebook clicando aqui.
Para conhecer a Revista Reino de Clio, clique aqui.


Fontes e Imagens:
http://www.bonde.com.br/educacao/passado-a-limpo/voce-sabe-o-que-foi-a-batalha-de-tuiuti--224893.html
http://www.historiadobrasil.net/resumos/batalha_tuiuti.htm
http://www.historiabrasileira.com/guerra-do-paraguai/batalha-de-tuiuti/
https://pt.wikipedia.org/wiki/Batalha_do_Passo_da_P%C3%A1tria
https://pt.wikipedia.org/wiki/Batalha_de_Estero_Bellaco
https://pt.wikipedia.org/wiki/Manuel_Lu%C3%ADs_Os%C3%B3rio
https://pt.wikipedia.org/wiki/Jos%C3%A9_E._D%C3%ADaz
https://pt.wikipedia.org/wiki/Venancio_Flores
https://pt.wikipedia.org/wiki/Bartolom%C3%A9_Mitre
https://pt.wikipedia.org/wiki/Batalha_de_Tuiuti





AUSCHWITZ I
PRECURSOR DO INFERNO
Em um final de semana como este, em 1940, era inaugurado o Campo de Concentração de Auschwitz I.
Quando ouço a palavra Auschwitz logo vem à mente a imagem daquela construção longa, de telhado alto, com trilhos de trem na frente. É uma imagem que ficou ainda mais marcante para quem assistiu ao filme "A Lista de Schindler”, de Steven Spielberg. O diretor americano apresenta o lugar como sendo muito mais sombrio que o campo onde viviam os judeus de Schindler. E deveria ser mesmo...
Mas aquele lugar sinistro não é o Campo de Concentração. Aquela é a entrada do Campo Auschwitz II - Birkenau, o campo de extermínio.
Auschwitz I é onde fica o infame portão com a frase “Arbeit Macht Frei” (O trabalho liberta) e surgiu como campo de concentração funcionando depois mais como a administração de todo o imenso complexo de três campos e das outras dezenas de campos auxiliares.
Mas que o leitor não se engane. Morreu muita gente em Auschwitz I...
As construções iniciais do campo, que fica na localidade polonesa de Oświęcim, tinham servido de alojamento para a artilharia do exército e foram escolhidas para abrigar novo campo, diante da superlotação que já se registrava nas demais instalações espalhadas pela Polônia e Alemanha.
A reforma foi ordenada por Heinrich Himmler em 27 de abril de 1940 e a supervisão das obras coube ao Obersturmbannführer Rudolf Höss, que acabou se tornando o primeiro comandante do novo campo.
Rudolf Höss, prestes a ir ao encontro do chefe...
Após o despejo de todos os moradores das redondezas, foi criada uma área de 40 km2 que fornecia muito espaço para ampliação das instalações e, ao mesmo tempo, isolamento das vilas e cidades mais próximas. Os nazistas não queriam que ninguém soubesse o que aconteceria naquele local...
Os primeiros escravos a trabalhar em Auschwitz foram alemães, trazidos do Campo de Concentração de Sachsenhausen, o primeiro dos campos construído na Alemanha “para confinar ou liquidar em massa opositores políticos, judeus, ciganos, homossexuais, Testemunhas de Jeová, e, posteriormente, milhares de prisioneiros de guerra.1 Sua tarefa era servir como funcionários dentro do complexo.
Os primeiros ocupantes de Auschwitz como prisioneiros trazidos para confinamento foram 728 poloneses, 20 dos quais judeus, que chegaram em junho. Menos de um ano depois, em março de 1941, a quantidade de ocupantes já chegava a 10.900 pessoas, a maioria poloneses.
Dentro do sistema, cada prisioneiro era marcado em suas roupas segundo sua origem. Criminosos comuns recebiam a cor verde, presos políticos recebiam a cor vermelha e a cor amarela era destinada aos judeus.
Estes, junto com os prisioneiros soviéticos, recebiam os piores tratamentos.
Os prisioneiros tinham que trabalhar, geralmente nas fábricas de armas adjacentes. O trabalho era extenuante e a única “folga” era nos dias de Domingo, quando os escravos deveriam se dedicar a limpeza.
Uma das fábricas próximas a Auschwitz.
Para os desobedientes, fugitivos recapturados e suspeitos de sabotagem havia o Bloco 11, considerado a prisão da prisão, que possuia celas de 1,5 m² nas quais quatro prisioneiros eram colocados juntos e onde passavam a noite em pé, o que era um terrível castigo.
Algumas celas do Bloco 11.
Mas estes castigos não eram piores do que aqueles aplicados aos que eram enviados ao porão do Bloco 11, onde ficavam sem água nem comida até que morressem de fome e/ou sede. Outros eram colocados em celas vedadas, na qual morriam asfixiados.
Neste porão foi conduzida a primeira experiência de extermínio com o famigerado gás Zyclon B. 
Latas de Zyclon B, que vinha em forma de pedrinhas que se dissolviam no ar, liberando o gás mortal.
Seiscentos prisioneiros soviéticos e cento e cinquenta poloneses foram trancados por ordem do subcomandante SS-Hauptsturmführer Karl Fritzsch e expostos ao gás, vindo a morrer.
O “êxito” da experiência fez com que uma área maior fosse adaptada para ampliar a eficiência, e um crematório foi construído. 
Acima a câmara de gás de Auschwitz e abaixo o crematório.

Cerca de 60 mil pessoas morreram nas novas instalações até que foi convertida em bunker para a SS.
O leitor não estranhe esse número. Lembre-se que estamos falando de Auschwitz I, que era um Campo de Concentração. O campo de extermínio ainda seria implantado.
A despeito disso, e como foi visto, Auschwitz I foi embrião para a indústria da morte nazista em muitos aspectos. E não foi o trabalho que libertou os prisioneiros, foi o Exército Vermelho da União Soviética.
1https://pt.wikipedia.org/wiki/Campo_de_concentra%C3%A7%C3%A3o_de_Sachsenhausen 

Compre nosso livro CAMINHOS DO IMPERADOR - D. Pedro II em Sergipe clicando aqui.

Para ler outras mini-séries do Reino de Clio, clique aqui.
Para acompanhar nossa série sobre o Egito Antigo, clique aqui.
Para conhecer nossa seção de História Geral, clique aqui.
Para conhecer nossa seção de História do Brasil, clique aqui.
Para fazer visitas virtuais a alguns dos mais importantes museus do país, clique aqui.
Conheça e curta nossa página no Facebook clicando aqui.
Para conhecer a Revista Reino de Clio, clique aqui.

Fontes e Imagens:
http://www.infoescola.com/historia/campo-de-concentracao-de-auschwitz/
http://www.dw.com/pt-br/1945-liberta%C3%A7%C3%A3o-de-auschwitz-birkenau/a-1465691
http://www.viajandoporai.com.br/campos-de-concentracao-na-polonia-parte-1-uma-visita-a-auschwitz/
http://www.megacurioso.com.br/guerras/75463-10-fatos-assombrosos-que-voce-talvez-desconheca-sobre-auschwitz.htm
http://avidanofront.blogspot.com.br/2010/12/kapos.html
https://pt.wikipedia.org/wiki/O%C5%9Bwi%C4%99cim
https://pt.wikipedia.org/wiki/SS-Totenkopfverb%C3%A4nde
https://pt.wikipedia.org/wiki/Auschwitz
https://pt.wikipedia.org/wiki/Campo_de_concentra%C3%A7%C3%A3o_de_Sachsenhausen

AS DUAS RENDIÇÕES DA ALEMANHA NAZISTA
Em um dia 07/05, no ano de 1945, a Alemanha Nazista assinava a rendição incondicional frente aos aliados na cidade francesa de Reims. Não foi o que você leu nos livros de História não é mesmo?
E se nós dissermos que a Alemanha começou a se render em 07 de Maio e só terminou quando já era dia 09? Curioso não? Vejamos pois!
Esta rendição, firmada às 02:41hs, foi a primeira a envolver o conjunto das forças armadas do III Reich e foi assinada pelo Coronel-General Alfred Jodl em nome dos alemães, representando o Almirante Karl Dönitz, sucessor de Hitler; Walter Bedell Smith, representando os aliados do ocidente, e por Ivan Susloparov, representando os Soviéticos. François Sevez assinou como testemunha, em nome dos franceses.
A nosso ver, a morte (ou fuga) de Hitler foi o fato que, realmente, consumou a derrota da Alemanha e ela se deu frente ao Exército Vermelho, que já tomava quase toda Berlim, a capital do III Reich. Dois dias depois, em 02/05, o General Helmuth Weidling, comandante da defesa da cidade, rendeu suas tropas ao General Vasily Chuikov.
Assim sendo, a viagem de Alfred Jodl, a mando do novo governante alemão, Almirante Karl Dönitz, nada mais foi do que uma tentativa de evitar uma rendição aos soviéticos, única força estrangeira presente em Berlim naquele momento. Os alemães pediram para prosseguir resistindo contra os soviéticos, o que Eisenhower não aceitou, obrigando-os a assinar a rendição incondicional.
Coronel-General Alfred Jodl assina a 1ª Rendição Alemã.
A despeito deste gesto de lealdade, Stalin ficou furioso com o que parecia ser a comprovação de suas suspeitas de que EUA e Inglaterra negociavam uma paz em separado com a Alemanha. Esse temor era infundado mas compreensível, uma vez que, se os alemães pudessem deslocar todas as suas tropas da França, Holanda, Itália, Noruega, etc, para o Leste, o Exército Vermelho sofreria um pesado contra-ataque e as perdas cresceriam exponencialmente.
Por isso foi preparada uma segunda rendição, desta vez em Berlim, onde os soviéticos tiveram o papel principal com a presença do General Georgi Zhukov. Foi essa a rendição que entrou para os livros de História.
Marechal Georgy Zhukov da URSS
No dia 08/05, na Escola de Engenharia do Exército Alemão, naquele momento transformada em Administração Militar Soviética de Berlim (e atualmente Museu Alemão-Russo Berlin-Karlshorst), compareceram os oficiais superiores das três forças armadas alemãs: "O marechal Wilhelm Keitel (Exército), o general Hans-Juergen Strumpff (Aeronáutica) e o almirante Hans Georg von Friedeburg (Marinha)."1
Museu Alemão-Russo Berlin-Karlshorst
Representando os aliados estavam presentes: Marechal Georgy Zhukov da URSS, Marechal Chefe do Ar Arthur Tedder da Inglaterra, General Carl Spaatz dos EUA e o General Jean de Lattre de Tassigny, da França como testemunha.2
A cerimônia começou com atraso, pouco antes da meia-noite (o que significava já ser 09 de maio em Moscou), e só terminou depois da meia-noite mesmo no horário ocidental, ou seja, também já no dia 09 de maio.
O Marechal Wilhelm Keitel assina a 2ª Rendição Alemã.
Assim sendo, temos três datas distintas para a rendição incondicional do III Reich: 07 de maio, em Reims, como primeira rendição; 08 de maio, em Berlim, como rendição oficialmente aceita por todos os aliados e pela História, mas que só ocorreu quando já era dia 09 de maio na URSS, país que verdadeiramente derrotara a Alemanha.
Mais abrangente do que a Rendição de Reims, a Rendição de Berlim exigia o desarmamento completo da Alemanha, a extinção do Partido Nazista e a libertação de todos os prisioneiros de guerra.

Os dois documentos de rendição. À esquerda a 1ª rendição (em inglês), com assinatura de Jodl em destaque. À direita a 2ª rendição (em russo), com assinatura de Keitel em destaque.
Encerrava-se, assim, o pior mal que já caminhara sobre a face da Terra, embora siga tentando ressurgir aqui e ali, desde então.
1https://noticias.uol.com.br/ultnot/afp/2005/05/03/ult34u124826.jhtm
2https://pt.wikipedia.org/wiki/Instrumento_da_rendi%C3%A7%C3%A3o_alem%C3%A3

Compre nosso livro CAMINHOS DO IMPERADOR - D. Pedro II em Sergipe clicando aqui.
Para ler outras mini-séries do Reino de Clio, clique aqui.
Para acompanhar nossa série sobre o Egito Antigo, clique aqui.
Para conhecer nossa seção de História Geral, clique aqui.
Para conhecer nossa seção de História do Brasil, clique aqui.
Para fazer visitas virtuais a alguns dos mais importantes museus do país, clique aqui.
Conheça e curta nossa página no Facebook clicando aqui.
Para conhecer a Revista Reino de Clio, clique aqui.

Fontes e Imagens:
http://www.jb.com.br/sociedade-aberta/noticias/2012/05/08/a-rendicao-alema-o-fim-da-segunda-guerra-mundial/
http://www.editoracontexto.com.br/blog/ha-70-anos-a-alemanha-assinava-a-sua-rendicao-na-segunda-guerra-mundial/
http://opiniaoenoticia.com.br/internacional/alemanha-nazista-assina-a-rendicao/
https://noticias.uol.com.br/ultnot/afp/2005/05/03/ult34u124826.jhtm
http://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/o-dia-da-rendicao-da-alemanha-nazista-91z4fnq8nhtt21eb202dly4b2
https://pt.wikipedia.org/wiki/Instrumento_da_rendi%C3%A7%C3%A3o_alem%C3%A3
https://pt.wikipedia.org/wiki/Fim_da_Segunda_Guerra_Mundial_na_Europa

https://www.ibiblio.org/hyperwar/ETO/Dip/ETO-Surrender-Docs.html



A QUEDA DE ANA BOLENA
Em um dia 17/05 como este, no ano de 1536, Anne Boleyn (Ana Bolena) perdia o posto de Rainha Consorte da Inglaterra por ordem do Rei Henrique VIII, até então seu marido.
Terminava o casamento que mudara a História da Inglaterra e do Cristianismo, por ter ocasionado a separação entre o Rei e a Rainha original, Catarina de Aragão, e por ter levado Henrique VIII a romper com a Igreja Católica, fundando a Igreja Anglicana.
Ana Bolena nasceu em data e local incertos entre os anos de 1501-1507 em "Blickling, Norfolk ou Hever, Kent, Inglaterra". Seus pais eram Thomas Bolena, 1.º Conde de Wiltshire e Elisabeth Howard. Ele linguista e diplomata da corte do Rei Henrique VII, ela filha do Duque de Norfolk.
Ana Bolena em dois momentos de sua vida. Jovem e mais velha.
Ana passou toda sua vida frequentando as cortes da Europa. Foi educada na corte dos Países Baixos, junto a Margarida, Arquiduquesa da Áustria. Depois passou alguns anos na corte da França, ao lado da Rainha Cláudia de Valois.
Ao retornar à Inglaterra tornou-se dama de companhia de Catarina de Aragão, esposa do Rei Henrique VIII, notório por seus casos extraconjugais dos quais o mais recente era com a irmã de Ana, Maria Bolena.
Tataraneta de um chapeleiro e aparentada com um santo (São Thomas Becket), a vida de Ana Bolena foi sempre cercada dos mexericos das cortes e da busca incessante de poder e influência junto ao Rei por parte de seus familiares. Rumores chegaram a afirmar que ela seria filha de Henrique VIII, que teria sido amante da mãe de Ana na juventude, o que certamente teria sido um escândalo de proporções bíblicas!
Mas o boato perde credibilidade quando é fortemente apoiado pelos católicos adversários do rei, que negava ter tido qualquer envolvimento com Elizabeth Howard. O mais provável é que tenha ocorrido uma confusão entre os nomes da mãe de Ana com Elizabeth Blount, essa sim, conhecida amante do rei.
Antes do casamento real com Henrique VIII, Ana quase se tornou Condessa na Irlanda, por conta de um arranjo de casamento que não chegou a se concretizar. Por amor, ela quase se casou com Henry Percy, futuro Conde de Northumberland, com quem Ana teve um relacionamento secreto que foi descoberto e proibido por influência do Cardeal Wolsey, então Chanceler da Inglaterra.
Quando Ana e o Rei se conheceram ele era amante de Maria Bolena e já estava descontente com sua esposa legítima, a Rainha Catarina de Aragão, por esta não lhe dar um herdeiro homem para assumir a coroa. Encantado com a moça, que não era tão bela mas era espirituosa e bem humorada, Henrique VIII logo começou a cortejá-la insistentemente, sendo sempre recusado.
Esta recusa teria sido a provável causa do grande encantamento do Rei por Ana, que mostrou grande determinação ao afirmar que se não pudesse ser esposa, amante não seria.
A partir dai Henrique VIII, usando o argumento da falta de um herdeiro homem e do suposto parentesco com a Rainha, que seria sua cunhada (viúva de seu irmão), trabalhou junto ao Vaticano para anulação do casamento.
Carta da Inglaterra ao Vaticano para anulação do casamento de Henrique VIII.

A carta seguiu com 85 selos de nobres que apoiavam a solicitação do Rei. 
Mas a Rainha Catarina tinha aliados poderosos como seu sobrinho Carlos V da Espanha, de modo que o Papa Clemente VII negou a anulação do casamento levando Henrique VIII a casar mesmo assim, rompendo com a Igreja e fundando a Igreja Anglicana.
O casamento ocorreu em segredo, no dia 25/01/1533, quando Ana já estava grávida. O divórcio do Rei e da Rainha só foi oficializado em 23/05/1533 e o casamento com Ana foi validado em 28/05 do mesmo ano. Poucos dias depois, em 01/06, Ana Bolena foi coroada na Abadia de Westminster.
Relativamente poucas pessoas compareceram ao banquete cerimonial, mostrando a forte impopularidade da nova rainha. Quando as notícias chegaram a Roma, Henrique VIII foi excomungado pelo Papa.
Henrique VIII e o Papa Clemente VII.
Tamanho escândalo foi se revelando infrutífero na medida em que os meses se passavam. É certo que Ana já estava grávida, mas o herdeiro masculino não veio, nascendo Elisabeth no dia 07/09/1533. As novas gravidezes resultaram em abortos ou em herdeiros que logo morreram e novas e desesperadas tentativas de engravidar não deram resultado.
O casamento também se deteriorou porque Ana não soube ou não quis lidar pacificamente com os casos extraconjugais do marido, talvez por receio de ser descartada caso uma das amantes desse ao rei o tão sonhado herdeiro homem. Há relatos de que a rainha chegou a agredir fisicamente a nova amante do Rei, Jane Seymor.
A Rainha Catarina de Aragão e Jane Seymor.
Mas nada disso foi suficiente para salvar a situação. No período em que Henrique VIII já tinha Jane Seymor como amante, rumores de infidelidade e incesto supostamente cometidos pela rainha foram usados pelo Rei para se livrar da esposa.
Ela e mais cinco supostos (e não comprovados) amantes, inclusive o irmão da Rainha (Jorge Bolena) foram presos na Torre de Londres. Os homens foram mortos dia 17/05. A decaptação de Ana foi marcada para o dia seguinte.
A Torre de Londres.
Contudo, por influência do Primeiro Ministro Thomas Cromwell, a execução foi adiada. Ele queria afastar os simpatizantes da rainha e estrangeiros, para que relatos da decaptação não fossem espalhados e resultassem em uma imagem ruim do Rei.
Ana comportou-se bravamente durante estes momentos, reclamando do adiamento da execução, do atraso do carrasco e caminhando de cabeça erguida quando o momento finalmente chegou.
Apesar dos cuidados de Cromwell, ocorreram vazamentos seletivos do acontecimento. O mais aceito deles, feito por Edward Hall, informa que as últimas palavras de Ana Bolena foram estas, proferidas aos presentes:
Bom povo cristão, eu não vim aqui para passar sermão; eu vim para morrer. De acordo com a lei e pela lei fui julgada para morrer, e, portanto, eu não direi nada contra isso. Não vim aqui para acusar qualquer homem, nem para falar daqueles que me acusaram e condenaram à morte, mas eu rezo a Deus que salve o rei e mantenha-o por muito tempo reinando sobre vocês, pois príncipe mais misericordioso jamais existiu, e para mim ele sempre foi bom, gentil, e senhor soberano. E se alguma pessoa intervir em minha causa, eu peço a ele [o rei] que o julgue melhor. E assim eu me despeço do mundo e de vocês, e cordialmente peço-lhes que rezem por mim.1
Acredita-se que Ana não contestou sua condenação e proferiu palavras elogiosas a Henrique VIII por ser o usual na época mas, principalmente, para que sua filha Elisabeth e sua família não incorressem na ira do Rei por culpa dela.
Após o discurso Ana teve os adornos que carregava retirados para deixar o pescoço livre para receber o golpe do carrasco. No momento final o carrasco teria pedido a espada em voz alta, levando a condenada a virar um pouco a cabeça para olhar. Esse pedido (encenado, posto que o carrasco já estava com a espada), teria a intenção de provocar um leve movimento da vítima, facilitando o golpe.
Quando este foi dado, ocorreu com precisão, separando cabeça e corpo em uma única espadada. Os restos mortais de Ana Bolena foram colocados em uma caixa de flechas e sepultados no piso da capela de St. Peter ad Vincula, dentro do próprio complexo da Torre de Londres.
Suposto local de execução de Ana Bolena e a Capela de St. Peter ad Vincula ao fundo.
Com o tempo, a localização de seu túmulo se perdeu e exumações posteriores podem ter misturado seus ossos com o de outras pessoas sepultadas no local. Assim sendo, quando o visitante se depara com a lápide no chão, indicando a sepultura de Ana Bolena, pode não estar sobre seus restos mortais.
A suposta sepultura de Ana Bolena.
A despeito de sua vida conturbada e de seu fim trágico, Ana Bolena escreveu com letras muito fortes seu nome na História e legou à Inglaterra uma herdeira que acabou se tornando sua maior Rainha: Elisabet I.
Long Live The Queen!


1 https://rainhastragicas.com/2016/05/19/eu-me-despeco-deste-mundo-e-de-voces-as-ultimas-palavras-de-ana-bolena/

Compre nosso livro CAMINHOS DO IMPERADOR - D. Pedro II em Sergipe clicando aqui.
Para ler outras mini-séries do Reino de Clio, clique aqui.
Para acompanhar nossa série sobre o Egito Antigo, clique aqui.
Para conhecer nossa seção de História Geral, clique aqui.
Para conhecer nossa seção de História do Brasil, clique aqui.
Para fazer visitas virtuais a alguns dos mais importantes museus do país, clique aqui.
Conheça e curta nossa página no Facebook clicando aqui.

Para conhecer a Revista Reino de Clio, clique aqui.


Fontes e Imagens:

https://tudorbrasil.com/2014/09/15/10-fatos-que-voces-deve-saber-sobre-ana-bolena/

https://rainhastragicas.com/2013/04/11/escandalo-na-corte-seria-ana-bolena-filha-de-henrique-viii/

https://rainhastragicas.com/2016/05/19/eu-me-despeco-deste-mundo-e-de-voces-as-ultimas-palavras-de-ana-bolena/
https://rainhastragicas.com/2016/05/19/eu-me-despeco-deste-mundo-e-de-voces-as-ultimas-palavras-de-ana-bolena/
http://origin.guiadoestudante.abril.com.br/aventuras-historia/historia-ana-bolena-reinado-henrique-viii-681249.shtml
https://rainhastragicas.com/2014/05/19/a-exumacao-de-ana-bolena/
https://seuhistory.com/biografias/ana-bolena
https://pt.wikipedia.org/wiki/Carlos_I_de_Espanha
https://pt.wikipedia.org/wiki/Tom%C3%A1s_Wolsey
https://pt.wikipedia.org/wiki/Henrique_VIII_de_Inglaterra
https://pt.wikipedia.org/wiki/Ana_Bolena
http://famouswonders.com/tower-of-london-near-the-river-thames/
http://creatingit.org/wp-content/uploads/2016/09/st-peter-ad-vincula-and-execution-place-for-jane.jpg



HISTÓRIA DO DIA DO TRABALHO
O 1º de Maio é o dia do trabalho e/ou do trabalhador em vários países do mundo e também no nosso amado Brasil. Mas, tanto aqui como em muitos países, a conquista desse dia foi cercada de muitas lutas.
A escolha da data tem ligação com a greve realizada em Chicago no ano de 1886 quando milhares de trabalhadores protestaram pela redução da jornada de trabalho de 13 para 8 horas diárias.
O protesto de 01/05 terminou pacificamente, mas três dias depois, em 04/05, a Revolta de Haymarket resultou na morte de 08 policiais após a explosão de uma bomba. Quando a polícia abriu fogo, 11 manifestantes morreram e dezenas ficaram feridos.

Os 08 líderes do movimento foram presos, processados e, mesmo sem provas de participação no lançamento da bomba, foram condenados, quatro deles à morte. Um deles cometeu suicídio e os demais acabaram absolvidos pelo governador do estado de Illinois. 
Acima o julgamento dos líderes do movimento de Chicago e abaixo as execuções.


A data do primeiro protesto, 01/05, foi adotada pela Internacional Socialista de Paris em 20/06/1889 como dia de mobilização dos trabalhadores pela jornada de 08 horas diárias. Dois anos depois, na mesma Paris, os manifestantes foram duramente reprimidos pela polícia, resultando em 10 mortes.
Mas aquele terrível sacrifício não foi em vão, pois em 23/04/1919, o Senado da França aprovou a adoção da jornada de 08 horas e transformou o dia 01/05 em feriado.
Quando a URSS fez da data um feriado nacional, vários outros países adotaram a mesma medida. Nos EUA a data não foi reconhecida, mas a jornada de 16 horas foi reduzida para 08 horas em 1890.
No Brasil a data vem sendo lembrada desde 1890, mas só ganhou força mesmo após a chegada dos imigrantes que traziam as ideias de organização dos trabalhadores de seus países.
Em 1917 uma grande greve geral paralisou a cidade de São Paulo e o movimento cresceu até que, em 1925, o Presidente Arthur Bernardes instituiu o Dia do Trabalho também no Brasil.
Desse dia em diante, o 1º de Maio passou a ser um dia de protestos da classe trabalhadora até que Getúlio Vargas passou a fazer uso da data para anunciar medidas governamentais de benefício ao trabalhador e a organizar celebrações, desfiles e festas nas quais o governo era exaltado.
Em 01/05/1940 Getúlio anunciou a criação do salário mínimo e, no ano seguinte, a criação da Justiça do Trabalho. Em 1943 foi instituída a CLT (massacrada agora pelo governo de MT e seus compadres). Os aumentos do salário mínimo também passaram a ser anunciados nesta data.
Com a supressão de direitos e o arrocho salarial promovidos pela Ditadura Militar, aos poucos a data foi sendo retomada como dia de protestos e manifestações da classe trabalhadora.
Nossa gratidão a todos aqueles que deram suas vidas por um tratamento mais humano por parte dos patrões aos trabalhadores.
Monumento aos mártires de Chicago. Chegará o dia em que nosso silêncio será mais poderoso do que as vozes que você está estrangulando hoje.
E que os homens e mulheres de hoje, que ganham seu sustento na lida diária da indústria, do comércio, dos serviços e do meio rural, possam se espelhar em seus colegas do passado e lutar para manter e ampliar seus direitos.
Trabalhadores do Mundo! Uni-vos!
Compre nosso livro CAMINHOS DO IMPERADOR - D. Pedro II em Sergipe clicando aqui.
Para ler outras mini-séries do Reino de Clio, clique aqui.
Para acompanhar nossa série sobre o Egito Antigo, clique aqui.
Para conhecer nossa seção de História Geral, clique aqui.
Para conhecer nossa seção de História do Brasil, clique aqui.
Para fazer visitas virtuais a alguns dos mais importantes museus do país, clique aqui.

Conheça e curta nossa página no Facebook clicando aqui.

Para conhecer a Revista Reino de Clio, clique aqui.
Fontes e Imagens:
http://brasilescola.uol.com.br/datas-comemorativas/dia-do-trabalho.htm
http://www.brasil.gov.br/economia-e-emprego/2011/04/historia-do-dia-do-trabalho-1
http://radioagencianacional.ebc.com.br/geral/audio/2015-05/conheca-historia-do-dia-do-trabalho-celabrado-em-varios-paises-hoje
http://pt.euronews.com/2016/05/01/significado-e-historia-do-1-de-maio-dia-do-trabalhador
http://www.cmqv.org/website/artigo.asp?cod=1461&idi=%201&moe=212&id=10581
http://www.ebc.com.br/noticias/brasil/2013/04/dia-do-trabalho-conheca-como-surgiu-o-feriado-do-dia-1o-de-maio
https://noticias.terra.com.br/educacao/voce-sabia/o-dia-do-trabalhador-e-comemorado-no-mundo-inteiro,d018aaccde6da310VgnCLD200000bbcceb0aRCRD.html
https://pt.wikipedia.org/wiki/Revolta_de_Haymarket
https://pt.wikipedia.org/wiki/Dia_do_Trabalhador
https://www.thenation.com/article/may-4-1886-riot-erupts-haymarket-square-chicago/
http://www.banya08.com/2016_05_01_archive.html
https://chicagology.com/notorious-chicago/haymarket/
https://blogs.loc.gov/inside_adams/2016/05/the-haymarket-handbills-paper-as-dynamite/
http://www.famous-trials.com/Haymarket

http://odia-a-historia.blogspot.com.br/2016/05/estado-novo-brasileiro.html
http://boletimoperario.blogspot.com.br/2013/09/greve-geral-1917-sao-paulo-sp.html

https://www.thoughtco.com/labor-history-of-the-19th-century-1773911