Total de visualizações de página

quarta-feira, 11 de abril de 2018

COMO O CRISTIANISMO TRIUNFOU EM ROMA – V

COMO O CRISTIANISMO TRIUNFOU EM ROMA – V
Em 01/05/305 d.C., Diocleciano e Maximiniano abdicaram ao trono, assumindo em seus lugares os Césares Constâncio Cloro e Galério. O velho Diocleciano se isolou no palácio de Salona, especialmente construído para seu retiro.
Após sua morte, porém, a vingança cristã finalmente o alcançou. Lissner4 afirma que quando Roma se tornou cristã, uma igreja, suprema ironia, foi construída dentro de seu palácio!
A torre da igreja construída ao lado do mausoléu octogonal de Diocleciano
Os novos Augustos atuaram, em relação aos cristãos, de forma oposta. Ainda durante o reinado de Diocleciano, Galério fora instigador severo da perseguição, enquanto Constâncio destruíra igrejas mas não condenara nenhum cristão à morte.
Ambos mantiveram suas posturas ao chegarem no poder superior, mas Galério, apesar de mais jovem, passou a agir com mais independência que Constâncio e sem oposição conhecida dos dois novos Césares, Severo e Daia, que ajudavam Galério na tarefa de restringir as ações de Constâncio.(pg. 473)
Daia - Severo
Porém, o que mais contribuía para tal atamento de Constâncio era que seu filho, Constantino, vivia na corte de Galério, alcançando postos de prestígio, mas vivendo sob estrita vigilância, cumprindo o papel de um refém de luxo.(pg.474)
Essa situação só mudou quando Constâncio preparou uma campanha militar na Britânia e solicitou a Galério que enviasse Constantino em seu auxílio.
Lissner afirma que Galério não teve como recusar o envio, para não parecer que mantinha o filho de seu colega refém, contudo, ordenou ao César Severo que o prendesse no caminho.(pg.474)
O jovem, contudo, conseguiu escapar e agora estava livre para ajudar o pai.
Continua...
Perdeu as primeiras partes do texto? Clique aqui.
Para navegar mais por este blog, clique aqui.
Para ler outros textos na seção "A Semana", clique aqui.

Para ir ao nosso site, clique aqui.

quinta-feira, 15 de março de 2018

APARTHEID VII

https://edu.hstry.co/timeline/apartheid-in-south-africa-cb79

MANDELA PRESO

Isolado na Ilha Robben, onde era chamado apenas de Prisioneiro 46664, Mandela mantinha contato com o exterior através das raras visitas que recebia, entre elas sua esposa Winnie, que militava de forma radical do lado de fora e, por isso, era sempre detida e processada pelo governo.15

Em 1968 Mandela perdeu a mãe, Nosekeni Fanny, que não entendia sua luta. Em 1969 morreu o filho mais velho, Thembi, que não o visitava na prisão.
https://www.tripadvisor.co.uk/LocationPhotoDirectLink-g312659-d311008-i174350733-Robben_Island-Cape_Town_Central_Western_Cape.html
http://www.globalis.no/Tema/Verdensarven/Fengselsopphold-paa-Robben-Island


Em 1976 uma passeata pacífica de estudantes que se dirigiam a um estádio onde fariam comício contra o sistema de ensino nas escolas negras foi dissolvida à bala pela polícia, o que resultou na morte de 95 pessoas em Soweto (há quem diga que foram 176 e quem fale em 700 mortos).16
.
http://seuhistory.com/etiquetas/levante-do-soweto



Em 12/09/1977 morreu o ativista Stephen Bantu Biko, morto em consequência das terríveis agressões que sofreu por parte dos policiais que o prenderam no dia anterior.17

Em 1982 Ruth First, “uma jornalista, professora universitária e ativista branca sul-africana”, militante contra o Apartheid, foi assassinada por uma carta-bomba em Moçambique.18
.
Ruth First e Steve Biko
http://circle.org/jsource/wp-content/uploads/sites/2/2013/05/Ruth-First-1.jpg
http://juventuderevolucao.org/wp-content/uploads/2014/04/10272935_659216747478669_2067992684_o1.jpg

Esses acontecimentos aumentaram o isolamento da África do Sul ao expor a cruel face da repressão perpetrada pelo regime racista do Apartheid e a pressão externa logo iria começar a afetar a economia do país.
Já em 1982 Mandela e seus companheiros foram transferidos para a Prisão de Pollsmor, na Cidade do Cabo, onde dividiam uma cela grande e podiam receber visitas mais facilmente.
Continua...

15https://pt.wikipedia.org/wiki/Winnie_Madikizela-Mandela

16https://pt.wikipedia.org/wiki/Levante_de_Soweto

17https://pt.wikipedia.org/wiki/Steve_Biko

18https://pt.wikipedia.org/wiki/Ruth_First

 
Se perder alguma parte desta série, clique aqui e no texto correspondente.
Para ler outras mini-séries do Reino de Clio, clique aqui.
Para acompanhar nossa série sobre o Egito Antigo, clique aqui.
Para conhecer nossa seção de História Geral, clique aqui.
Para conhecer nossa seção de História do Brasil, clique aqui.
Para fazer visitas virtuais a alguns dos mais importantes museus do país, clique aqui.
Para conhecer a Revista Reino de Clio, clique aqui.
Conheça e curta nossa página no Facebook, clicando aqui.

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

O REINO DE CLIO EM 2017

REINO DE CLIO
Balanço de 2017
O ano que se encerrou foi de extremos para o Reino de Clio. Atingimos números nunca imaginados, mas também beiramos o fundo do poço por conta da perseguição incessante do Facebook que começou em agosto e atingiu o auge em outubro, prosseguindo desde então.
Contudo, no final das contas, o saldo foi extremamente positivo e, apesar da queda, uma recuperação foi iniciada nos dois últimos meses do ano.
Nossa página do Facebook teve nada menos que 2.405.160 visualizações em nossas publicações e 61.216 interações, entre curtidas e reações diversas. A postagem campeã de visualizações sem impulsionamento pago foi “História do Dia – Bomba de Hiroshima” com 56.874 views, seguida por “Direto da Trincheira – Morte de Nicolau II” com 51.538 views.
Nosso blog obteve 51.835 acessos e nosso site 49.905 visitas, um crescimento superior a 88% em relação a 2016!
As restrições trazem desânimo, evidentemente. E nos impedem de compartilhar nossas publicações nos grupos de interesse, pois impõe quase sempre uma semana sem poder postar nada.
Mas nossa dedicação à divulgação da História para todos os públicos, na linguagem simples que todos possam compreender, nos move diante da necessidade imensurável de conhecimento, considerando que essa carência é a origem da atual situação de nosso país.
E você pode nos ajudar a driblar essa censura do Facebook compartilhando nossas postagens, principalmente na sua linha do tempo e nos seus grupos. Só curtir não ajuda muito, infelizmente.
De qualquer forma, agradecemos a você, caro leitor, por não nos abandonar. E podemos nos comprometer a manter a História sempre viva e renovada em nossos canais. Que possamos, em 2018, chegar perto do sucesso obtido em 2017.
Muito obrigado a todos! E tudo de bom!
Marcello Eduardo.